TwitterFacebookYoutubeInstagram

Atividade ocorre na sexta-feira, 7, às 14h, no Campus da Univali

Foto de Dales Hoeckesfeld 2Estudantes indígenas, que integram o curso Pedagogia Intercultural Indígena Guarani, formação inédita neste formato, e oferecida, desde julho, no Campus da Universidade do Vale do Itajaí (Univali), em Biguaçu, com parceria da Secretaria de Estado da Educação, realizam, na sexta-feira, 7, evento de intercâmbio e confraternização cultural com alunos do curso de Música da Univali de Itajaí.

Na ocasião, os 45 participantes indígenas compartilharão sua tradição, com músicas de sua cultura, enquanto alunos não-indígenas apresentarão canções de seus repertórios, com a finalidade de integração entre os dois grupos.

A atividade é promovida pela coordenação do curso de Pedagogia Intercultural Indígena Guarani e Núcleo de Acessibilidade da Univali (NAU). Ela é gratuita, aberta ao público e ocorre às 14h, na sala 404 do bloco 2, no Campus da Univali localizado às margens da BR101, em Biguaçu.

Sobre o curso de Pedagogia Intercultural Indígena – Guarani

O curso de Pedagogia Intercultural Indígena – Guarani teve início em julho de 2018, oferecido pela Universidade do Vale do Itajaí (Univali), no Campus de Biguaçu. As atividades ocorrem no próprio Campus e em aldeias próximas. Elas são financiadas pelo Programa de Bolsas Universitárias de Santa Catarina (Uniedu) e pelo Fundo de Apoio à Manutenção e ao Desenvolvimento da Educação Superior (Fumdes).

O curso atende o que preconiza a meta 15 do Plano Estadual de Educação (2015) e foi aprovado pela comissão Ad Hoc, nomeada pela portaria nº1942/2016. Ele envolve as comunidades das aldeias Pira Rupá e Morro dos Cavalos, de Palhoça; Itanhaém e Mbya Roká, de Biguaçu; Tekoa Vya, de Major Gercino; Tekoá Tavaí; Tekoa Marangatu, de Imaruí; Yvy Ju e Morro Alto, de São Francisco do Sul; e Pindoty, de Araquari.

As atividades têm periodicidade semanal e a equipe de profissionais que atua no curso é formada por professores da Univali, da Secretaria Estadual de Educação de Santa Catarina (SED) e de lideranças das comunidades indígenas Guarani de Santa Catarina.

A formação tem como foco oportunizar o exercício da docência na educação infantil e nos anos iniciais do ensino fundamental, em escolas indígenas. As aulas são presenciais, com carga horária de pouco mais de 3,2 mil horas, distribuídas em oito semestres.