TwitterFacebookYoutubeInstagram

‘Você tem um minuto para mudar o mundo’ é a temática do concurso Planeta.doc Estudantes 2016

slides-plataforma-filmes-pqnaCom o intuito de estimular a reflexão dos jovens sobre sustentabilidade, a Secretaria de Estado da Educação (SED) convida estudantes de todo o Estado para participarem do concurso Planeta.doc Estudantes. A proposta é produzir um vídeo de até um minuto demonstrando a importância do desenvolvimento sustentável no mundo. As inscrições estão abertas até 31 de março pelo site.

De acordo com o gerente de Tecnologias Educacionais e Inovação da SED, Breno Salomon Reis, esse concurso incentiva os alunos a produzir conteúdo a partir de  ferramentas tecnológicas presentes no seu dia a dia. “É uma oportunidade dos estudantes utilizarem uma tecnologia que já estão acostumados, podendo desenvolver independência intelectual e de mostrar a própria interpretação sobre a sociedade, o que de certa forma contribui para o conhecimento”, afirma.

O concurso, apoiado pelo Fundo de Cultura - Funcultural, do Governo do Estado de Santa Catarina, é direcionado aos estudantes de ensino fundamental, médio e universitário das escolas públicas e particulares do Estado.

A ideia é fomentar a criatividade dos estudantes para que expressem a visão de mundo sobre o desenvolvimento sustentável, com isso o vídeo deve abordar histórias narradas da vida real ou ficção a partir de um ou os dois temas chave do concurso: A conexão e dependência do ser humano do entorno natural que o cerca e A indiferença do ser humano em relação ao sofrimento e devastação gerados pela sua atuação no mundo.

Serão três vencedores, um por cada categoria, premiados com o convite e a estadia paga para assistir o Festival Planeta.doc 2016 em uma das cidades que será realizado o evento Florianópolis, Lages, Ibirama e Laguna.

Para a diretora do Planeta.doc Estudantes, Mônica Linhares, o concurso que está na segunda edição, visa oportunizar o jovem a expor suas opiniões e ideias. “É uma oportunidade deles manifestarem as ideias com a realidade que eles vivem e não ser algo passivo. Eles vão produzir os vídeos, com total liberdade e esse é um dos nossos propósitos”, finaliza.