TwitterFacebookYoutubeInstagram

Reunião da GetEduO secretário-adjunto da Secretaria de Estado da Educação, Vitor Fungaro Balthazar, apresentou o processo de implementação do Google for Education em Santa Catarina em evento on-line promovido pela GetEdu, representante da Google, nesta quinta-feira, 6. A transmissão teve participação de secretários municipais de Educação e foco na troca de experiências sobre o uso da tecnologia nas redes de ensino básico.

O processo construído em Santa Catarina, detalhado pelo secretário-adjunto, começou ainda em 2019, quando duas escolas foram escolhidas para receber o projeto-piloto de implantação da plataforma Google for Education na rede estadual. Entretanto, a pandemia de Covid-19 alterou o cenário e, em poucos dias, o uso da plataforma foi estendido para todos os alunos da rede estadual catarinense, após um acordo de trabalho mais abrangente.

“Compartilhamos o que está sendo construído em Santa Catarina por pessoas que estão se dedicando integralmente à educação neste momento. Temos muito orgulho do trabalho que tem sido feito na Secretaria de Estado da Educação e a convicção de que essa construção é um legado que não será mais retirado das nossas escolas”, destacou Vitor Fungaro Balthazar.

Outro ponto importante destacado pelo secretário-adjunto foram as formações para qualificar o trabalho pedagógico, mediado ou não por tecnologias digitais, a ser desenvolvido pelos profissionais da rede estadual durante o regime de atividades escolares não presenciais. A formação teve 40 horas de duração, dividida em 28 transmissões on-line que somaram mais de 1 milhão de acessos, e certificou 20,4 mil professores da rede.

Plataforma on-line teve acesso de 416 mil alunos em SC

O secretário-adjunto também apresentou que 416 mil alunos, equivalente a cerca de 76,9% de todos os estudantes da rede estadual, acessaram a plataforma do Google Classroom. Entre os professores, o percentual de acesso é de 94,7%, com 25,1 mil dos 26,4 mil docentes da rede estadual tendo acessado a plataforma.

Os demais alunos, sem acesso ou com acesso restrito à internet, seguem estudando durante a suspensão das aulas presenciais com as atividades impressas entregues nas escolas. As atividades não presenciais em Santa Catarina alcançam 97% dos alunos, enquanto há uma Busca Ativa para encontrar os demais estudantes e incluí-los ao sistema. Já os professores sem acesso à internet podem usar o espaço físico da escola, seguindo os devidos regramentos, para elaborar o material pedagógico para os alunos.